Exoesqueleto criado no Brasil vai prevenir a fadiga muscular em trabalhadores

Sabe aquela fadiga muscular comum após um dia puxado de trabalho? Ela será prevenida com o uso de um exoesqueleto, que está sendo criado aqui no Brasil por pesquisadores brasileiros do Laboratório de Telecomunicações (Labtel) da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

O aparelho oferece mais mobilidade, previne de lesões e também evita movimentos repetitivos. O paciente vai poder vesti-lo como uma armadura, o que fornecerá apoio e força.

A ideia é que a ferramenta seja um suporte para medir o grau de força que o usuário faz durante a jornada de trabalho. Ele pode monitorar a atividade física realizada, e oferecer insights valiosos para otimizar o desempenho e garantir a segurança do usuário.

Reduzir lesões relacionadas ao trabalho

O exoesqueleto desenvolvido pelo Labtel tem o potencial de ser uma ferramenta crucial para reduzir lesões relacionadas ao trabalho.

Tarefas repetitivas estão diretamente ligadas a doenças musculoesqueléticas, o que leva muitos trabalhadores a se afastarem dos empregos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60 mil casos de lesões por esforços repetitivos são registrados anualmente.

Leia mais notícia boa:

Pesquisadores brasileiros fazem 1º teste de robô que auxilia crianças com TEAAlunos brasileiros têm vitória inédita no maior torneio de robótica do mundoAlunos brasileiros criam braço robótico para ajudar crianças com paralisia. VÍDEO

Apoio da Fabes  

Sob a coordenação do professor Camilo Rodríguez, do Departamento de Engenharia Elétrica da Ufes, e com o apoio técnico do aluno de Engenharia Mecânica Patrick Silva, o doutorando Luis Jordy Arciniegas liderou o desenvolvimento deste exoesqueleto revolucionário.

O projeto recebeu apoio da Fapes, por meio do Centro de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento (CPID), um espaço administrado pelo Governo do Estado, voltado para impulsionar a pesquisa científica e tecnológica.

“Esse apoio tem sido necessário para o desenvolvimento do protótipo, por meio da aquisição das impressoras 3D que utilizamos para a fabricação das peças do exoesqueleto e do espaço do CPID para a fabricação da ferramenta”, disse Rodríguez.

Baseado em robótica branda

O professor ainda explicou que o exoesqueleto é baseado em robótica branda, o que significa que os motores não são diretamente ancorados nas articulações.

Em vez disso, eles são distribuídos estrategicamente nas costas, e a força é transferida para os braços por meio de pólias e cabos de aço.

Inicialmente, o foco do aparelho está no cotovelo, mas há planos para expandir sua atuação para os ombros e até mesmo para a coluna vertebral, para corrigir posturas e auxiliar na reabilitação de pacientes.

Conheça mais sobre esse projeto: 

* Todas as notícias são retiradas de fonte de sites conforme informado na última linha “apareceu primeiro em …”

Compartilhe esta postagem:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias
Previsão do Tempo
+27
°
C
+28°
+23°
Campos dos Goytacazes
Quinta-Feira, 01
Ver Previsão de 7 Dias
Categorias

Assine nossa newsletter

Queremos oferecer para os ouvintes a playlist das melhores músicas Pop Rock!

Iniciar Conversa
Oi, Seja bem vindo(a)!
Olááá! Obrigado por ouvir a Rádio Capital Fm !!!